sexta-feira, agosto 24, 2007

O pai ogro

Joseph Campbell, "O Herói de Mil faces"

Pois o aspecto ogro do pai é um reflexo do próprio ego da vítima – derivado da maravilhosa lembrança da proteção materna que foi deixada para trás, mas só depois de ter sido projetada, bem como do fato de a idolatria fixadora daquela inexistência pedagógica constituir por si própria a falta, no sentido de pecado que nos mantêm paralisados e que impede a alma potencialmente adulta de alcançar uma visão mais equilibrada e realista do pai e, em conseqüência, do mundo. A sintonia consiste, essencialmente, em levar a efeito o abandono do monstro autogerado – o dragão que se considera Deus (o superego) e o dragão que se considera o pecado (o id reprimido). Mas esta ação requer o abandono do apego ao próprio ego, e aí reside a dificuldade. Devemos ter fé em que o pai é misericordioso; assim, devemos confiar nessa misericórdia. Com isso, o centro da crença é afastado da tenaz apertada e escamosa do deus atormentador, e os ogros ameaçadores desaparecem.

* * * *

7 comentários:

Lou Mello disse...

Meu caro amigo, o Richard Dreyfus em mais uma magistral interpretação de um filme que não lembro o nome (mas não é invenção), onde ele faz duas vezes o papel de Hamlet, em seu personagem no filme, e em uma peça que o personagem do filme trabalha e faz um Hamlet gay. Enfim, trata-se de um romance e a mulher envolvida reclama do ego dele ao que ele responde: Levei tanto tempo construindo meu ego, com todo o cuidado e não vou deixar você acabar com ele em cinco minutos.

Lou Mello disse...

Há uma retificação feita no Blogroll da Gruta em relação ao seu link e um recado foi postado como comentário, explicando o descalabro (essa eu aprendi com o presidente) ocorrido. As providências foram tomadas e cabeças rolaram.

Natália Nunes disse...

Não, não; não me fale em pai.

Eu adoro essa música da Alanis, essa e várias outras.

"You see everything you see every part
You see all my light and you love my dark
You dig everything of which I'm ashamed
There’s not anything to which you can't relate
And you're still here"


...


Bjos, Alysson!

FChagas disse...

Dileto amigo Alysson, Interessante seu post! Veio oportunamente. Pois acabei de conversar com meu amigo Daniel sobre sua tese. Diz ele: "Existe um segredo nessa proposta de intervenção. Qual? Nos primeiros indícios ontológicos dessa construção chamada ego. (os pais da matéria chamam de self)Passa pela formação de uma pérola, dolorida e necessária para construir o caráter em seu contexto clínico." Agora, digo eu é uma teoria. Um cheiro.

Maya disse...

Oi, Alysson. São complexos os seus textos, plurissignificativos e polifônicos. Demoro pra entendê-los! Quero aqui registrar também que o blog do Lou está fora do ar por uma questão técnica :( e eu já sinto uma falta danada. Volta logo, Lou!

Abços,

Maya

Felipe Fanuel disse...

Caro Alysson,

Falar de ego, superego e id é o mesmo que dizer do que são feitos os ídolos: com barro e argila.

Abraço.

日月神教-任我行 disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,性感影片,正妹,聊天室,情色論壇